Um grupo de cientistas da Universidade de Coimbra criou um novo equipamento capaz de converter a energia armazenada nas ondas do mar em energia elétrica. O sistema, batizado de REEFS (Renewable Eletric Energy From Sea) já tem patente internacional e é o resultado de oito anos de investigação e desenvolvimento no Laboratório de Hidráulica, Recursos Hídricos e Ambiente do Departamento de Engenharia Civil, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

O aparelho é modular e instalado em locais costeiros, sendo totalmente submerso e invisível à superfície do mar. É ainda referido que este é apoiado em pilares, ficando o resto do fundo do mar livre para todo o tipo de processos marinhos, disse José Lopes de Almeida, líder do projeto.

O sistema procura utilizar tecnologia já existentes, tais como turbinas de ultrabaixa queda aplicadas nos aproveitamentos mini-hídricos, sendo recentemente mais competitivos em termos comerciais. “É possível migrar essa tecnologia para o mar e aplicá-la precisamente para aproveitar os desníveis criados pelas ondas, que na nossa costa ocidental apresentam frequentemente alturas de 1 a 5 metros”, refere o investigador.

REEFS
Da esquerda para a direita Daniel Oliveira, Aldina Santiago e José Lopes de Almeida, os investigadores da Universidade de Coimbra.

Na prática, o equipamento transforma o movimento alternado das ondas do mar num fluxo de água contínuo no interior do seu conversor. O fluxo criado entre a crista e a cava das ondas aciona as turbinas mini-hídricas, que é o salto tecnológico registado. O grupo não precisou de criar tecnologia de raiz, mas sim adaptar o que já se fazia com os sistemas hidroelétricos existentes.

A tecnologia do REEFS é referida como um contributo para mitigar a erosão costeira, uma vez que pode funcionar como um recife artificial. Esta pode induzir a rebentação precoce das ondas, retirando alguma da sua energia antes de atingir a linha da costa.

Considerando que Portugal ainda importa cerca de dois terços dos seus recursos energéticos, a Universidade de Coimbra chama a atenção de se tomarem medidas para aproveitar os recursos marinhos e utilizá-los para criar valor para a economia. A extensa linha de costa do país é um ponto a favor para este tipo de tecnologias.

Veja o vídeo da demonstração do REEFS

Antes de chegar ao mercado, o REEFS ainda vai ter de ser melhor estudado e testado, segundo o coordenador do projeto. A prova de conceito já foi feita, com demonstração em laboratório a transformação da sua cadeia, desde a onda até à produção da energia elétrica. “Para chegar à fase comercial, o dispositivo tem de ser otimizado e testado a escalas sucessivamente maiores até instalarmos um projeto piloto no mar, só depois é que poderemos passar à fase de comercialização da tecnologia”.

A equipa de investigação está a concorrer a financiamentos, com o apoio da UC Business para criar uma versão da tecnologia para instalar no mar, na costa de Portugal. Este é um passo importante, por testar em condições reais a performance do equipamento e dessa forma avaliar as condicionantes que podem surgir na sua instalação.

O REEFS é apontado como uma tecnologia de conversão de energia sem impacto paisagístico, pode proporcionar maior previsibilidade na produção e por ser localizado no litoral onde se concentra a maior parte da atividade económica.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.