A Apple chegou a acordo com uma mulher para o pagamento de milhões de dólares num processo em que fotografias íntimas da cliente foram compartilhadas online pelos funcionários da multinacional encarregados de fazer consertos no seu iPhone.

A cliente, uma ex-estudante da Universidade de Oregon, entregou o telefone para arrumarem numa loja parceira da empresa na Califórnia, em 2016.

Na ocasião, dois funcionários da loja acessaram ilegalmente a fotografias e vídeos explícitos da cliente, que estavam armazenados no aparelho eletrônico. Este conteúdo acabou publicado na página de Facebook da mulher, num acesso, também ilegal, à sua conta na plataforma.

O material explícito foi descrito, de acordo com o processo acedido pelo Telegraph, como "fotografias com vários estágios de nudez e um vídeo de sexo".

A mulher foi alertada para a divulgação do conteúdo no seu perfil de Facebook por um dos seus contatos na plataforma e conseguiu apagar tanto as imagens como o vídeo. O incidente gerou um processo contra a Apple por violação de privacidade e pela perturbação emocional que causou.

A empresa optou, agora, por chegar a acordo com a cliente, concedendo uma retribuição que, supostamente, alcançará os vários milhões de dólares e que será paga pela loja. O valor em concreto não foi divulgado, sendo noticiado que a cliente não pode revelar a quantia como parte do acordo.

Os dois funcionários foram despedidos pouco depois do incidente.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.