"Quando perdemos aves ou mamíferos, não perdemos apenas essas espécies. Também perdemos a sua importante função ecológica, que é a de espalhar sementes", explicou à AFP Evan Fricke, da Universidade Rice.

O estudo é o primeiro a quantificar o problema em nível global e estima que a capacidade de adaptação às alterações climáticas das plantas que precisam da colaboração dos animais já foi reduzida em 60%.

As espécies de árvores presentes em regiões que se tornaram inóspitas podem, por exemplo, migrar para áreas onde chova mais, mas fazem-no na forma de sementes. Metade das plantas dependem de que os animais comam as frutas e as transportem para mais longe, enquanto outras contam apenas com a ajuda do vento.

Os pesquisadores dinamarqueses usaram dados de milhares de estudos anteriores sobre o comportamento animal para criar um mapa da contribuição dos mesmos para a dispersão de sementes. Depois, compararam um mapa que anula o efeito das extinções de espécies causadas pelo homem e a redução dos seus territórios.

Os resultados foram surpreendentes. A perda na dispersão de sementes foi muito pronunciada nas regiões temperadas das Américas do Norte e do Sul, Europa e Austrália, apesar de terem perdido apenas uma pequena porcentagem de espécies de mamíferos e aves.

A perda foi menor nas regiões tropicais da América do Sul, África ou no Sudeste Asiático, mas poderia acelerar-se caso fossem extintas outras espécies, como os elefantes.

O estudo mostra que os esforços de proteção dos animais podem ajudar a combater as alterações climáticas.

“O declínio dos animais pode perturbar as redes ecológicas de forma que ameace a resiliência de ecossistemas inteiros”, concluiu Fricke.

Fonte: AFP

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.