Marta Flores foi diagnosticada com cancro da mama em novembro de 2021. Apesar do choque, e de lhe terem caído algumas lágrimas de medo, rapidamente se focou na cura e não houve tempo para lamentar o que lhe estava a acontecer.

"Sou muito espiritual. Acho que o universo conspira sempre a nosso favor e, acreditando muito nisso, penso que isto foi o universo que me deu uma missão. Com a visibilidade que tenho, vou partilhar e dar a conhecer esta minha luta e este meu lado de encarar as coisas. De certeza que o universo me deu a missão de ajudar outras mulheres e dar força, alegria e ânimo para também perceberem, através da minha arte (da maquilhagem), que podemos (e vamos) estar sempre em bom e bonitas", diz à MAGG.

A 13 de janeiro, depois de já ter realizado alguns ciclos de quimioterapia (e sabendo que o cabelo ia cair), a maquilhadora profissional decidiu que estava na hora de partilhar com os seguidores que estava a passar pela doença. Num primeiro vídeo, revelou o primeiro corte de cabelo — com qual nunca imaginou que fosse gostar tanto de se ver — e esta terça-feira, 18 de janeiro, decidiu mostrar ao mundo o momento em que rapou os fios que lhe restavam.

O que Marta nunca poderia imaginar é que iria ser pedida em casamento por Bruno Garcez, o namorado, nessa altura. "Foi ali, naquele momento mais revolucionário e mais impactante da minha vida até hoje. Não podia ter sido melhor. Foi o dia e o momento", conta agora à MAGG. O pedido ficou gravado e foi partilhado com os seguidores que a encheram de mensagens de amor e carinho.

Neste momento, Marta Flores já se encontra numa fase avançada dos tratamentos e diz que aproveita os dias em que se sente melhor para ser mais participativa nas redes sociais. É no Instagram que quer também divulgar tudo sobre o sítio onde comprou a sua prótese capilar, os produtos que está usar nesta fase da vida, a maquilhagem mais apropriada ou os cremes de eleição.

"Quem estiver a atravessar esta fase comigo vai saber de tudo aquilo que eu comprei e os cremes que uso. Eu quando saio de casa é sempre em bom, ninguém diz [que tenho cancro]. Acho que ao divulgar estas coisas as pessoas vão também aprender algo — e estou sempre disponível para ajudar de uma forma mais pessoal quem entrar em contacto comigo. Isto é uma fase e passa", garante a maquilhadora profissional.

"Decidi que, quer me sentisse linda e maravilhosa ou não, ia partilhar na mesma, porque acho que temos de desmistificar a doença"

Apesar de assumir que há dias em que se sente mais frágil, Marta revela que, desde o primeiro momento, o foco principal foi a cura e pensar que tudo ia correr bem. "Eu quero é viver (e viver bem) e partilhar também esta experiência com as pessoa que gostam de mim e que me seguem: também para que me possam conhecer um bocadinho melhor", diz, revelando que sempre que lhe diziam que a doença era algo que ela podia não partilhar a resposta era: "Está fora de questão".

"Desde o primeiro momento decidi que quer me sentisse linda e maravilhosa ou não, ia partilhar na mesma, porque acho que temos de desmistificar a doença", assume.

A viver uma das fases mais marcantes da sua vida, Marta Flores confessa que ainda não sabe quando será o casamento, mas aponta a data para novembro do próximo ano. Para já, a maquilhadora continua cheia de trabalho e diz que aproveita sempre os dias que se sente melhor para maquilhar e realizar os seus workshops.

Com a normalidade com que encara a vida, Marta refere que sente que já conseguiu ajudar outras pessoas a passar pelo mesmo (e não só).

"Com as mensagens que tenho recebido, tenho sido realmente muito inundada de amor. Muitas pessoas que estão a passar pelo mesmo, que estão na luta também comigo, ficam muito felizes de me ver assim: a encarar a doença com força e sempre com um sorriso nos lábios. Isso também as ajuda muito", diz.

"Quem é saudável, o que me diz é que eu sou também uma lufada de ar fresco devido à minha energia e à forma de encarar a doença, que lhes dá também uma perspetiva da vida saudável, mesmo estando a passar uma fase complicada", remata a influenciadora.

Em Portugal, de acordo com os dados da Liga Portuguesa Contra o Cancro, em 2020 foram diagnosticados cerca de 7 mil novos casos de cancro da mama. O rastreio desta doença pode e deve ser feito por pessoas entre os 50 e os 69 anos, mas quem quiser pode sempre optar por fazer mais cedo. Saiba tudo neste artigo. 

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.