"Espero ansiosamente o apoio dos EUA a novas sanções. Além disso, acreditamos que a Rússia deve ser oficialmente reconhecida como um Estado patrocinador do terrorismo", declarou Zelensky durante a reunião.

Ele também agradeceu aos "Estados Unidos por sua liderança no apoio à Ucrânia", observando que Washington não protege apenas seu país "mas também os valores e liberdades democráticos, o direito das nações de escolher livremente seu futuro".

Em um discurso em vídeo, Zelensky afirmou à noite que a "visita mostra mais uma vez o forte apoio bipartidário ao nosso Estado, a força dos laços entre os povos americano e ucraniano" e especificou que havia falado sobre "apoio financeiro e militar" para a Ucrânia e sobre "sanções contra a Rússia".

Além de Mitch McConnell, a comitiva incluía vários senadores republicanos experientes. A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, fez uma visita surpresa a Kiev em abril, o que só foi divulgado um dia depois.

O Congresso dos EUA avançou na terça-feira em uma primeira etapa para o desbloqueio de 40 bilhões de dólares para a Ucrânia, uma ajuda que ainda precisa ser votada pelo Senado antes que o presidente Joe Biden a promulgue.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.