A UA decidiu "suspender imediatamente a República do Mali de sua participação em todas as atividades da União Africana, seus órgãos e instituições, até que se restabeleça uma ordem constitucional normal no país", afirma o Conselho de Paz e Segurança (PSC) da organização no comunicado.

O texto também faz um apelo aos militares malineses para que "com urgência e incondicionalmente retornem a seus quartéis e se abstenham de qualquer interferência futura no processo político do Mali".

A UA pediu que se estabeleçam as condições para o retorno a uma transição democrática "sem obstáculos, transparente e rápida".

"Em caso contrário, o Conselho não hesitará em impor sanções seletivas e outras medidas punitivas" contra os que impedem a transição, completa o texto.

A decisão da UA segue a da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que também anunciou a suspensão do Mali de suas instituições.

O país da região do Sahel sofreu dois golpes de Estado em nove meses.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.