Um comunicado da Serve emitido nesta terça-feira (2) afirma que havia um montante de financiamento inicial, que não foi especificado, da empresa de capital de risco Neo, com participação do Uber e outros investidores.

A Serve Robotics "continuará liderando o desenvolvimento de uma nova forma de mobilidade, criando robôs autônomos para entregar mercadorias em ambientes urbanos", acrescentou o comunicado da nova empresa.

"Sua frota já provou sua viabilidade atendendo milhares de residências em Los Angeles e foi especialmente útil durante a pandemia, fornecendo aos clientes entrega sem contato direto".

A mudança ocorre ao mesmo tempo em que a Uber limita seu foco em corridas e entregas de refeição, desmembrando ou vendendo operações não essenciais, como sua divisão de e-bike.

Enquanto isso, a Serve entra em um mercado superlotado de entrega robótica, que ganhou força nos últimos anos.

"Enquanto os carros autônomos removem o motorista, a entrega robótica elimina o próprio carro e torna as entregas sustentáveis e acessíveis a todos", ressaltou Ali Kashani, co-fundador e executivo-chefe da Serve Robotics.

"Nas próximas duas décadas, novos robôs de mobilidade estarão em todos os aspectos de nossas vidas - primeiro movendo alimentos, depois tudo mais".

De acordo com Serve, quase metade de todas as entregas em restaurantes nos Estados Unidos estão a uma caminhada de 40 minutos, oferecendo oportunidades para entrega robótica.

A Uber anunciou no ano passado planos para comprar Postmates por US$ 2,65 bilhões em ações, em um movimento que balançou o setor, que teve um grande crescimento durante a pandemia do novo coronavírus.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.