Trump "instruiu o Departamento de Defesa dos Estados Unidos e o Comando da África a realocar a maior parte do pessoal e ativos na Somália até o início de 2021", disse ele em um comunicado.

"Trata-se de uma mudança de posição das forças, não da política dos Estados Unidos", acrescentou.

"Parte das tropas pode ser realocada fora da África Oriental. O resto se mudará da Somália para os países vizinhos para permitir operações transfronteiriças pelos Estados Unidos e forças aliadas para manter a pressão sobre organizações extremistas violentas", disse ele.

Cerca de 700 soldados das forças especiais dos EUA treinam e aconselham o exército deste país do Chifre da África contra os jihadistas do Al Shabab, afiliados à Al-Qaeda.

"Os Estados Unidos não estão se retirando ou se separando da África", disse o Pentágono.

"Continuaremos a enfraquecer organizações extremistas violentas que potencialmente ameaçam nosso território", acrescentou ele, prometendo "manter a capacidade de realizar operações de contraterrorismo direcionadas na Somália".

Também deve continuar suas atividades de inteligência. Esses anúncios respondem ao desejo de Donald Trump de retirar os militares dos principais palcos de operações no exterior e "encerrar as guerras sem fim da América", um desejo compartilhado pela maioria da opinião pública.

Desde a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais de novembro, o magnata republicano, embora ainda não tenha admitido a derrota, tenta acelerar a retirada de tropas em vários países, incluindo Afeganistão e Iraque, antes da transferência do poder em 20 de janeiro.

O Al Shabab continua sendo uma grande ameaça na Somália e na região, afirmou o Inspetor Geral do Pentágono em um relatório muito recente.

O grupo "mantém a capacidade de adaptação e resistência e pode atacar os interesses ocidentais e de seus parceiros na Somália e na África Oriental", disse ele.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.