Paris justificou a decisão por considerar "pobre em conteúdo e totalmente inapropriada na forma" a carta do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ao presidente francês, Emmanuel Macron, com o pedido para readmitir os migrantes que chegam a suas costas.

Em uma carta divulgada à imprensa, Johnson pede a Macron "um acordo bilateral de readmissão (...) de todos os migrantes em situação ilegal que cruzam (o Canal da Mancha)", indicando que a União Europeia (UE) tem pactos similares com Rússia e Belarus.

"Esta medida teria um efeito imediato e reduziria consideravelmente, e inclusive deteria, as travessias, salvando vidas, ao quebrar o modelo econômico das máfias", completou o chefe de Governo conservador.

O ministro do Interior da França, Gérald Darmanin, criticou o conteúdo da carta e sua divulgação, o que o levou a cancelar a participação de sua colega britânica, Priti Patel, em uma reunião no domingo em Calais (norte) com outros países.

O objetivo do encontro, que está confirmado com autoridades da França, Bélgica, Holanda, Alemanha e da Comissão Europeia, é "reforçar a cooperação policial, judicial e humanitária, assim como lutar de maneira mais eficiente contra as máfias".

O governo britânico pediu que Paris retome o convite a Patel. "Nenhuma nação pode enfrentar isto sozinha. Espero que os franceses reconsiderem a decisão", afirmou o ministro dos Transportes, Grant Shapps, à BBC.

Com o aumento dos controles nos portos e no acesso ao túnel sob o Canal da Mancha, os migrantes optaram pelo uso de embarcações para tentar alcançar as costas do Reino Unido, um fenômeno que aumentou a partir de 2018.

Do início do ano até 20 de novembro, 31.500 tentaram a travessia. A tendência não diminuiu apesar da queda das temperaturas e na quarta-feira 27 migrantes morreram na tentativa de chegar ao Reino Unido, a maior tragédia desde 2018.

burs-tjc/zm

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.