"A indústria vem exigindo isso há anos. Estamos felizes em ser os primeiros a trazer essa inovação para apoiar os artistas", disse à AFP Michael Weissman, diretor-geral da plataforma alemã.

Como a maioria das plataformas de streaming musical, como Spotify e Deezer, o SoundCloud utiliza atualmente um sistema de remuneração polêmico baseado numa proporção do total de reproduções.

O princípio é simples: um assinante que paga 20 reais por mês vê uma grande parte deste valor migrar para os artistas mais ouvidos (pelos assinantes em geral).

Conhecido como "market centric", este sistema se opõe ao modelo "user centric", que se baseia nas reproduções individuais dos assinantes. Concretamente, o primeiro favorece as grandes estrelas, em detrimento de artistas menos conhecidos.

O primeiro também supõe que o dinheiro pago mensalmente pelos assinantes dessas plataformas não serve para remunerar os artistas ouvidos.

O sistema que a plataforma alemã inaugurará em 1 de abril permitirá que os artistas rentabilizem suas criações utilizando os serviços SoundCloud Premier, Repost by SoundCloud ou Repost Select, que vincula a remuneração ao que os fãs escutam.

No total, o novo sistema beneficiará "quase 100.000 artistas independentes", de acordo com SoundCloud.

Será mais "justo" e irá privilegiar uma maior diversidade musical, acrescentou a plataforma fundada em 2007 e que tem um repertório de mais de 250 milhões de canções criadas por 30 milhões de artistas.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.