Considerado há alguns anos o "homem mais sexy do mundo", o lendário ator britânico faleceu durante a noite, ao lado da família, em sua casa nas Bahamas.

O astro, que se afastou do cinema em 2003, dividiu nos últimos anos sua vida entre a ilha caribenha, o sul da Espanha e os Estados Unidos.

O seu estado de saúde, no entanto, o impedia cada vez mais de viajar, inclusive quando a justiça espanhola tentou ouvi-lo em uma investigação por corrupção urbanística que envolvia uma de suas antigas propriedades na cidade andaluz de Marbella.

"Ele não estava bem há algum tempo", afirmou o filho Jason Connery à BBC.

"Que infinitamente triste ouvir a notícia de que Sir Sean Connery faleceu. Ele e Roger foram amigos durante muitas décadas e Roger sempre afirmou que Sean era o melhor James Bond de todos os tempos", afirma um tuíte de uma conta oficial mantida em nome do ator Roger Moore, falecido em 2017, que também interpretou o famoso agente 007.

- Detetive medieval, "intocável" e pai de Indiana Jones -

Durante sua longa carreira, Connery recebeu vários prêmios, incluindo um Oscar de ator coadjuvante por seu papel em "Os Intocáveis" (1987), assim como três Globos de Ouro e dois Bafta.

Ele deu vida ao frade William de Baskerville, um detetive medieval abertamente inspirado em Sherlock Holmes, na adaptação cinematográfica de "O Nome da Rosa" de Umberto Eco e interpretou o pai de Indiana Jones em "A Última Cruzada".

Mas para muitos ele sempre será lembrado vestido com um smoking, com um martíni ou uma arma em uma das mãos e uma bela mulher na outra como o elegante agente a serviço de Sua Majestade 007, que interpretou pela primeira vez em "007 Contra o Satânico Doutor No", de 1962, e em outros seis longas-metragens.

"Foi e ficará para sempre na memória como o James Bond original, cuja entrada indelével na história do cinema começou quando pronunciou as palavras inesquecíveis: 'Meu nome é Bond ... James Bond'", afirmaram os produtores da saga, Michael Wilson e Barbara Broccoli.

"Revolucionou o mundo com seu retrato engenhoso do sexy e carismático agente secreto", no seu caso com um marcante sotaque escocês, completaram.

Os dois afirmaram que são "eternamente agradecidos" porque "ele sem dúvida é, em grande parte, responsável pelo sucesso da série de filmes". O longa-metragem mais recente do agente secreto, "007 - Sem Tempo para Morrer", protagonizado por Daniel Craig, deixa os fãs na expectativa após dois adiamentos devido à pandemia de coronavírus.

- A independência da Escócia -

A notícia da morte provocou uma série de homenagens.

"Cresci idolatrando #SeanConnery", escreveu o ator australiano Hugh Jackman no Twitter, que chamou o escocês de "lenda tanto dentro como fora das telas".

Quando se aproximava dos 60 anos, a revista americana apontou Connery como "o homem mais sexy" do mundo e em 2013, 10 anos após sua aposentadoria, ele foi escolhido o ator britânico preferido dos americanos.

Apenas sua defesa do projeto de independência de sua Escócia natal irritou alguns e, segundo especulações, adiou até o ano 2000 seu reconhecimento pela rainha Elizabeth II como Sir.

"Nossa nação chora por um de seus filhos queridos", afirmou a primeira-ministra escocesa, a independentista Nicola Sturgeon.

"Ele era uma lenda internacional, mas em primeiro lugar era um escocês patriota e orgulhoso".

Thomas Sean Connery nasceu em 25 de agosto de 1930 em uma família sem recursos da região de Edimburgo e lutou durante parte da vida para sair da pobreza.

Ele deixou os estudos muito cedo e entrou para a Marinha aos 16 anos. Ao retornar à vida civil, ele trabalhou como professor de natação, pedreiro, caminhoneiro, entregador de carvão, guarda-costas e polidor de caixões

Também se dedicou ao fisiculturismo, terminando em terceiro lugar no concurso Mister Universo de 1950, antes de iniciar a carreira de ator, na qual marcou seu nome na história da sétima arte.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.