Lucas Braga (6), Marinho (45, de pênalti) e Ângelo Borges (90 + 4) marcaram os gols do Peixe, atual vice-campeão da Libertadores, que conquistou uma valiosa vitória antes do jogo de volta, enquanto o paraguaio Ángel Romero (71) descontou para o San Lorenzo.

A revanche será disputada na próxima terça-feira, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, para onde foi transferida devido às restrições estabelecidas por causa da pandemia de covid-19 em São Paulo.

Com várias jogadores juvenis na escalação e com um time bem diferente daquele que perdeu para o Palmeiras há alguns meses na final da Libertadores de 2020, o Santos surpreendeu o San Lorenzo desde o início.

O time da casa não conseguiu se firmar, sobrecarregado pela velocidade e explosão da equipe brasileira, comandada pelo argentino Ariel Holan.

- Pressão santista -

Com apenas 3 minutos, Alejandro Donatti quase cometeu um pênalti em Marcos Leonardo, que entrou na área do time local com tudo, em um ataque rápido e preciso.

Esse domínio logo teve sua recompensa no primeiro gol do Santos, que veio quando Luan Peres ganhou no meio do campo e deu um passe perfeito para Lucas Braga, que achou espaço do lado esquerdo do ataque, e chutou sem chances para Devecchi.

Com boas antecipações na defesa e no meio, o Santos não deixava o 'Ciclón' avançar. Gabriel Pirani, Lucas Braga e Marcos Leonardo infernizaram a defesa local e o Santos durante muito tempo teve a chance de aumentar.

Foi só no meio do primeiro tempo e com muito esforço que o time da casa melhorou e equilibrou um pouco o duelo. Quase empatou em uma triangulação entre o paraguaio Ángel e Oscar Romero que terminou com um cruzamento no meio da área onde Pittón chegou, mas seu chute foi para fora.

Também pela via aérea, o San Lorenzo teve outra chance em uma cabeçada de Franco Troyansky que passou raspando a trave direita.

Mas o Santos se mostrava muito incisivo em cada ataque e antes do final do primeiro tempo o goleiro Devecchi cometeu pênalti desnecessário para Lucas Braga. Marinho converteu com um chute forte à esquerda, ampliando para o Santos.

Com mais garra e confiança, o San Lorenzo tentou diminuir, mas tinha dificuldade de penetrar no campo do time paulista. Por outro lado, o Santos mostrava determinação para atacar com frequência e perigo, e Braga quase aumentou com uma cabeçada que obrigou Devecchi a se esticar todo.

Mesmo com limitações, o San Lorenzo melhorou com as jogadas entre os irmãos Romero, e foi justamente Ángel quem diminuiu, após um cruzamento da direita de 'Uvita' Fernández.

Durante um tempo o Santos perdeu a segurança que teve ao longo de 70 minutos e as dúvidas surgiram, diante de um animado 'Ciclón' que partiu em busca do empate. O time argentino teve suas chances em um rebote que Oscar Romero chutou alto e em um disparo de pé esquerdo de Ramírez, que saiu fraco.

Mas o time da casa deixava grandes espaços para os contra-ataques adversários. O técnico Holan fez três alterações nos últimos minutos para dar fôlego ao Santos e colocou Yeferson Soteldo. O venezuelano quase marcou com um chute de pé esquerdo que o goleiro defendeu com esforço.

No momento em que o San Lorenzo partia para o tudo ou nada, o Santos deu o golpe decisivo nos acréscimos, em um contra-ataque comandado por Soteldo, que tocou para Madson, que finalizou. Devecchi rebateu mas o jovem Ângelo Borges fez 3 a 1, deixando o Santos à beira da fase de grupos.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.