"Eles nos deixaram ir hoje. Não disseram o por quê. Mas explicaram que haviam decidido nos libertar", relatou Fitsum Berhane a um jornalista da AFP em Addis Abeba.

Fitsum Berhane e Alula Akalu, tradutores que trabalham para o Financial Times, foram presos no sábado, depois de três dias de reportagem sobre o conflito no Tigré. Os outros dois detidos eram o jornalista da BBC Girmay Gebru e Temrat Yemane, um jornalista local.

As autoridades não explicaram os motivos da detenção e, até o momento, não responderam a perguntas da imprensa.

Tanto a AFP quanto o Financial Times obtiveram permissão da Autoridade de Radiodifusão Etíope e do Ministério da Paz para trabalhar na região do Tigre, onde o acesso dos veículos de comunicação foi restringido desde o início das hostilidades em novembro passado.

Fitsum Berhane disse hoje à AFP que os soldados entraram em sua casa e o acusaram de apoiar a Frente de Libertação Popular do Tigré (TPLF, na sigla em inglês).

"Disseram que sou membro da TPLF e estive ajudando o partido desde o início da guerra, dando-lhes informações", explicou.

"Mas neguei tudo, porque não sei do que estão falando", completou.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.