O principal promotor deste projeto de lei de 740,5 bilhões de dólares, o deputado republicano Mac Thornberry, disse que um forte apoio poderia proporcionar uma vitória rápida enquanto o Congresso negocia um orçamento federal e um possível novo pacote de ajuda para a economia, afetada pela pandemia.

"Quanto mais forte for a votação (a favor), menor será a chance de termos que lidar com um veto depois", afirmou Thornberry, o principal membro republicano do Comitê de Serviços Armados da Câmara dos Representantes, aos jornalistas.

O presidente democrata do comitê, Adam Smith, foi mais direto, dizendo que se o presidente vetasse a Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA), os congressistas "votariam novamente para anular o veto".

A expectativa é que as duas casas legislativas aprovem esta semana o projeto de lei anual de política de defesa para 2021, que confere um aumento salarial de 3% aos militares.

Em julho, as versões separadas da Câmara e do Senado foram aprovadas por mais que dois terços dos votos, a maioria necessária para anular um veto presidencial.

Trump disse que retirará sua ameaça de veto se os legisladores removerem o trecho sobre a renomeação de bases militares que homenageiam comandantes confederados, uma questão polêmica que ganhou força após vários incidentes racistas.

Ele também exige uma disposição para revogar a lei conhecida como Seção 230, que isenta as empresas de redes sociais da responsabilidade pelo que os usuários publicam em suas plataformas.

Segundo Thornberry, o projeto de lei de defesa não deve ser adiado devido a disputas políticas não relacionadas ao assunto.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.