Poucas horas antes do jogo de abertura entre Itália e Turquia, em Roma, o presidente da entidade que comanda o futebol europeu expressa otimismo sobre o torneio, que prosseguirá até 11 de julho: "Não acredito que partidas serão adiadas, as bolhas são realmente estritas. Claro, nunca se sabe o que pode acontecer, mas tenho bastante confiança de que tudo vai dar certo".

"Estava convencido desde o princípio que a Eurocopa aconteceria este ano. A adiamos (em 2020) para que as ligas e os clubes pudessem terminar a temporada. Nós a organizamos agora e o adiamento foi especialmente importante porque no ano passado teria sido uma Eurocopa sem torcedores", declarou à AFP.

O público será admitido nos 11 estádios de uma Eurocopa inédita, disputada em 11 países diferentes, mas com capacidade reduzida na maioria das arenas, com rígidos protocolos de saúde.

"É uma situação particular, todos devemos nos adaptar a esta situação", afirmou Ceferin.

"Se queremos concluir esta Eurocopa, todos devemos entender isto: não é uma Eurocopa habitual, primeiro porque acontece em 11 países e, além disso, há uma pandemia que torna as viagens ainda mais difíceis. Todos temos que nos adaptar", completou.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.