"A fraude eleitoral da Venezuela já foi cometida. Os resultados anunciados pelo regime ilegítimo de Maduro não refletirão a vontade do povo venezuelano. O que está acontecendo hoje é uma fraude e uma farsa, não uma eleição", escreveu Pompeo no Twitter.

A eleição, disputada por cerca de 14.000 candidatos de mais de 100 partidos, vem com o país em profunda crise - sufocado pela inflação crescente, falta de abastecimento de água e gás, e afligido por cortes repentinos de energia.

A vitória daria ao governante Partido Socialista de Maduro o controle de uma Assembleia Nacional, com 227 assentos - a única instituição que não está em suas mãos.

A participação inicial foi baixa, porém, com muitas seções eleitorais em Caracas vazias ou com poucos eleitores.

A Venezuela também foi fortemente atingida pela pandemia da covid-19, e os eleitores foram obrigados a usar máscaras e fazer o distanciamento social dentro dos locais de votação.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.