A primeira parte do dossiê, publicada em 23 de novembro, se centrou na enorme sede de liberdade e democracia que surgiu na Tunísia e se espalhou pelo mundo árabe, derrubou ditaduras e com frequência provocou o caos e guerras. A segunda, divulgada em 30 de novembro, foi dedicada à velocidade com que a revolta se propagou, graças, em particular, às redes sociais e smartphones.

As equipes da AFP em texto, foto, vídeo, infografia, além do serviço de Documentação da AFP, aprofundam agora a herança da Primavera Árabe.

Enquanto o Ocidente foi acusado de "perder" o bonde da história, as monarquias árabes do Golfo aproveitaram o vazio para reforçar seu poder. Apenas a Tunísia conseguiu instaurar uma democracia, mas sem responder às demandas de uma vida digna. No Egito e Síria os manifestantes passaram da esperança das ruas ao inferno das prisões.

Confira o material publicado nesta segunda-feira, 7 de dezembro:

PARIS:

Primavera Árabe ou como o Ocidente perdeu um encontro com a História

"O Oriente Médio perdeu a oportunidade de dar os primeiros passos rumo à liberdade e à democracia. E o Ocidente optou por ser um interlocutor silencioso". Estas são as palavras de um vencedor do Nobel da Paz, Mohamed ElBaradei.

(EUA França política diplomacia PrimaveraÁrabe aniversário, 1830 palavras, já transmitida)

DUBAI:

Países do Golfo, as novas potências surgidas da Primavera Árabe

O declínio dos regimes autoritários, que se seguiu à explosão da Primavera Árabe, fez estremecer os países do Golfo. Mas dez anos depois da fragilização dos seus vizinhos, as monarquias da península se tornaram o centro de gravidade do Oriente Médio.

(Emirados Golfo diplomacia Arábia Catar revolução, 700 palavras, já transmitida)

BEIRUTE:

Dez anos depois da Primavera Árabe, milhares de manifestantes continuam presos

Há 10 anos, milhões de manifestantes sonhavam com uma mudança política nos países árabes, mas em muitos as esperanças viraram frustração e dezenas de milhares deles continuam presos, sobretudo no Egito e na Síria.

(Egito Siria política PrimaveraÁrabe aniversário direitos presos prisioneiros, 790 palavras, já transmitida)

MONTREAL:

Dez anos após a morte do irmão na Tunísia, Leila Bouazizi pede que a luta continue

Os jovens tunisianos devem continuar "a se manifestar" por uma vida decente. Para a irmã do vendedor ambulante tunisiano Mohamed Bouazizi, cuja autoimolação há dez anos deu início à Primavera Árabe, a revolução não terminou.

(Tunísia Canada Québec Primavera Árabe aniversário política manifestação, 670 palavras, já transmitida)

CARTUM:

Revoltas árabes revivem bandeiras da época da independência

Na Síria, na Líbia e mais recentemente no Sudão, os revolucionários árabes começaram a ostentar bandeiras da era da independência em seus países, atacando as mais recentes como símbolos de ditaduras que querem derrubar.

(Árabes revolução aniversário bandeiras política trabalho economia manifestação, 890 palavras, já transmitida)

TÚNIS:

Como os levantes árabes foram enfraquecidos por notícias falsas

Os levantes árabes há uma década foram sobrecarregados por convocações virtuais de adesão aos protestos, mas a internet logo foi inundada pela desinformação, enfraquecendo os ciberativistas da região.

(Primavera Árabe aniversário história, 720 palavras, já transmitida)

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.