Em virtude dos chamados Acordos de Abraão, quatro países árabes - Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Marrocos e Sudão - aceitaram em 2020 normalizar suas relações diplomáticas com Israel, que espera que a Arábia Saudita siga seus passos.

"Penso que a normalização do estatuto de Israel na região teria um impacto formidável", declarou o príncipe Bin Farhan em entrevista na quinta-feira à emissora americana CNN.

"Isso seria muito benéfico ao mesmo tempo nos campos econômico, social e do ponto de vista da segurança", acrescentou.

Mas, ele afirmou que qualquer acordo com a Arábia Saudita "depende muito dos avanços do processo de paz" israelense-palestino, que está bloqueado.

Uma profunda desconfiança comum em relação ao Irã contribuiu para aproximar nos últimos anos Israel e os países do Golfo, entre eles a Arábia Saudita.

Segundo fontes de Jerusalém, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, fez uma viagem sigilosa no fim de novembro à Arábia Saudita para falar de uma possível normalização, com o chefe da diplomacia americana na época, Mike Pompeo, e o príncipe-herdeiro do reino, Mohamed Bin Salman.

Riade desmentiu que o encontro tenha ocorrido.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.