De acordo com o jornal The Times, Johnson estuda a possibilidade de isentar cerca de 2.500 pessoas (membros da UEFA, ou da FIFA, patrocinadores, emissoras) da quarentena para as semifinais e a final, agendadas para 6, 7 e 11 de julho em Londres.

Segundo a imprensa local, alguns ministros temem que a UEFA leve estes três jogos para Budapeste, se não for proposta alguma isenção. A Hungria não impõe quaisquer condições para a entrada em seu território de viajantes do espaço Schengen.

A capital húngara é também a única que não impôs qualquer limite de lotação ao seu estádio para esta Eurocopa, enquanto o governo britânico prevê neste momento 50% da lotação máxima para as semifinais e a final.

O chefe do governo britânico se mostrou mais cauteloso nesta sexta-feira.

"Faremos tudo o que for necessário para proteger o país da covid", disse ele.

"Obviamente, é a nossa prioridade. Vamos falar com a UEFA para descobrir o que eles querem e ver se podemos propor alguma mudança notável, mas a saúde pública continua a ser a prioridade", acrescentou Johnson.

Na segunda-feira (14), o primeiro-ministro havia anunciado que atrasaria em quatro semanas, até 19 de julho, o levantamento das últimas restrições impostas na Inglaterra para combater a pandemia do coronavírus, devido ao aumento de casos atribuídos à variante Delta.

Segundo uma fonte próxima à organização, a mudança do local das semifinais e da final é uma "solução contemplada" pela UEFA.

A decisão será tomada "nos próximos dias", de acordo com outra fonte próxima aos organizadores questionada pela AFP.

"Sempre existe um plano B, mas estamos confiantes em que a última semana pode acontecer em Londres", disse a UEFA em um comunicado nesta sexta.

"Estamos conversando com as autoridades locais para tentar fazer com que os torcedores das seleções participantes assistam aos jogos, utilizando um rígido sistema de teste e de bolhas que garantam que eles fiquem menos de 24 horas no Reino Unido e com movimentos limitados a transporte credenciado", acrescentou a confederação europeia.

No mês passado, a UEFA decidiu transferir a final da Liga dos Campeões para o Porto, em detrimento de Istambul, para permitir que os torcedores do Chelsea e do Manchester City assistissem ao jogo.

Londres havia colocado a Turquia em sua lista vermelha, o que teria forçado seus torcedores a ficarem em quarentena após seu retorno da cidade turca.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.