"No colégio cardinalício há alguns negacionistas. Um deles, coitado, estava infectado com o vírus", disse o pontífice no avião que o levava de volta de sua viagem apostólica de quatro dias à Eslováquia, na Europa Central.

Francisco estava se referindo ao ultraconservador cardeal americano Raymond Burke, um de seus mais ferozes críticos, que adoeceu em agosto devido a covid-19.

O papa argentino esclareceu que dentro do Vaticano "todos estão vacinados, exceto um pequeno grupo", então "estamos estudando como ajudá-los", acrescentou, durante uma coletiva de imprensa a bordo do avião papal.

O pontífice, ferrenho defensor da vacinação contra a covid-19, reconheceu que não entende os motivos de tanto ceticismo em relação às vacinas.

"É um pouco estranho, porque a história da humanidade com as vacinas tem se mostrado uma amiga", disse ele, referindo-se a décadas de campanhas para proteger as crianças do sarampo e da poliomielite.

"Devemos esclarecer a questão e falar com calma", aconselhou, embora admitisse que a diversidade das vacinas e sua reputação desigual podem ter gerado incerteza ou medo.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.