Mas o salário de sua mãe, agora o único ganha-pão de sua casa, não é suficiente para alimentá-la e às duas irmãzinhas.

Assim, Kimberly faz fila em frente a uma escola para aproveitar a distribuição de alimentos organizada ali por uma associação sem fins lucrativos.

"Às vezes, precisamos de um pouco de comida para manter nossa geladeira cheia", diz Kimberly, em Cockeysville, ao norte de Baltimore City (leste), durante um intervalo de suas aulas que agora são ministradas online.

Cada vez mais crianças passam fome nos Estados Unidos. A epidemia de coronavírus, que matou cerca de 280.000 pessoas no país, causou uma crise econômica histórica.

De acordo com o Departamento de Comércio, 12% dos adultos dizem que "às vezes" ou "frequentemente" não comeram o suficiente no último mês.

Cerca de 10% das mães de crianças com menos de cinco anos disseram que passaram fome em algum momento de outubro e novembro, de acordo com uma pesquisa da Brookings Institution.

A instituição de caridade Feeding America estima que cerca de 50 milhões de pessoas serão consideradas em situação de insegurança alimentar este ano, incluindo cerca de 17 milhões de crianças.

"Você pode dizer que a insegurança alimentar é atualmente a mais alta da era moderna", disse Lauren Bauer, chefe de estudos econômicos da Brookings Institution, à AFP.

- Números alarmantes -

Os números são alarmantes para a maior economia mundial e um dos principais países doadores de ajuda alimentar a outras nações.

"Alimentos e agricultura representam cerca de 20% da economia dos Estados Unidos, mas 100% das pessoas comem", lembra Chloe Waterman, diretora de programas do grupo Amigos da Terra, que enfatiza o papel do Departamento de Agricultura para neutralizar o problema.

O início da pandemia em março, os fechamentos de empresas e o desemprego em massa levaram a uma severa recessão.

Escolas também fecharam, impedindo que crianças de famílias mais pobres recebessem alimentação gratuita.

Segundo Bauer, a escassez de produtos básicos nos supermercados também afetou os pais de baixa renda em primeiro lugar.

O Congresso dos EUA respondeu permitindo que os estados dessem às famílias cartões de benefícios no valor da merenda escolar, enquanto muitos continuaram a fornecer alimentos aos alunos.

Mas há obstáculos nessa rede de segurança, diz Bauer, especialmente para os pais que não conseguem chegar aos locais onde as escolas distribuem suas refeições gratuitas.

E o principal plano do governo para fornecer alimentos às famílias carentes, o Programa de Assistência à Nutrição Suplementar (SNAP), é insuficiente para cobrir todas as refeições, transferindo o fardo do desemprego crescente para instituições de caridade, argumenta Waterman.

É o caso da associação Baltimore Hunger Project, que oferece produtos alimentícios nos finais de semana na cidade de Maryland e seus subúrbios. As inscrições triplicaram desde o início da pandemia e a associação agora está ajudando 2.000 famílias.

Entre elas a de Kimberly, que pôde receber ovos, pão e outros produtos básicos para ela e sua mãe, ambas sem documentos, e suas duas irmãs nascidas nos Estados Unidos.

"Às vezes é muito difícil, mas você tem que continuar", diz ela.

"Isso parte meu coração", disse Ayo Akinremi, um imigrante nigeriano que começou a buscar comida para sua esposa e filhos depois de perder o emprego, mas agora é voluntário.

"Foi um choque cultural para mim vir para os Estados Unidos e sentir tanta insegurança alimentar", diz ele.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.