'Djoko', que derrotou o maiorquino por 3-6, 6-3, 7-6 (7/4) e 6-2, em 4 horas e 11 minutos de jogo, buscará seu segundo título no saibro da capital francesa no domingo contra o grego Stefanos Tsitsipas (N.5).

Depois de sua terceira derrota em toda sua carreira em Roland Garros, Nadal permanece com 20 'majors' em seu currículo, o mesmo número do suíço Roger Federer, e dois a mais que Djokovic que tem agora a chance de ficar mais perto dos dois rivais.

"Foi um privilégio enfrentar o Rafa em uma partida tão incrível", disse Djokovic após a partida épica. "Se você quer vencer o Rafa na quadra dele, você deve jogar o seu melhor tênis.

Esta noite foi a minha maior partida em Paris", acrescentou.

Foi sua segunda vitória em oito encontros em Paris com Nadal, sequência que também incluiu três derrotas em finais.

Emoção, maestria, equilíbrio, intensidade... o duelo entre os dois gigantes não decepcionou as expectativas dos torcedores, que, graças a uma autorização especial das autoridades governamentais, puderam assistir ao jogo até o fim, apesar do toque de recolher em vigor na França a partir das 23h00 locais.

"No final, claro, se você vencer o terceiro set, pode-se dizer que é a chave, porque o panorama muda, mas não sou fã de falar das partidas em termos de um ponto", explicou o espanhol em coletiva de imprensa logo após o fim da partida.

Nadal chegou a fazer 5-0 no primeiro set, o que parecia indicar uma partida rápida e plácida como foi a final de 2020 contra o mesmo adversário. Mas o roteiro não demorou a passar por uma reviravolta.

"Não consegui fazer a diferença como em outras vezes, em alguns momentos a minha bola não causava danos", reconheceu. "É preciso dar crédito a ele, dar os parabéns, sei que posso jogar melhor nesta quadra", acrescentou.

Djokovic, que se classificou para sua sexta final do Grand Slam parisiense, pode se tornar, em caso de vitória na final no domingo, o primeiro tenista em mais de 50 anos a vencer todos os quatro Grand Slams ao menos em duas ocasiões.

- Final inédita para Tsitsipas -

Mais cedo o grego Stefanos Tsitsipas, nº 5 do mundo, se classificou para sua primeira final de Grand Slam em Roland Garros ao derrotar o alemão Alexander Zverev (6º) em cinco sets, com parciais de 6-3, 6-3, 4-6, 4-6 e 6-3.

Aos 22 anos, ele se tornou o primeiro tenista grego a se classificar para a final de um torneio 'major', e é o mais jovem a conseguir o feito desde Andy Murray em 2010.

"Só consigo pensar nas minhas raízes, em um pequeno lugar nos arredores de Atenas, onde sonhava em jogar no grande palco de Roland Garros", disse Tsitsipas com lágrimas nos olhos, após vencer a partida no quinto match-point.

No penúltimo game, que durou 10 minutos, o alemão de 24 anos salvou quatro match points.

"Foi estressante, muito intenso, mantive as chances. Entrei aqui e lutei. Essa vitória significa muito, é de longe a mais importante da minha carreira", acrescentou com saibro ainda grudado em seu rosto após 3 horas e 37 minutos de jogo na quadra Philippe-Chatrier.

Nos duelos contra Djokovic, o saldo é de 5-2 a favor do sérvio.

Tsitsipas havia perdido suas três primeiras semifinais de Grand Slam.

Zverev, que havia precisado de cinco sets para derrotar seu compatriota Oscar Otte (152º) na primeira fase, só voltou a enfrentar um tenista top 45 nesta sexta-feira e terá que esperar por mais uma oportunidade para estar presente em sua primeira final em Paris.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.