O Tribunal Oral Federal 1 de La Plata o condenou à prisão perpétua junto com o ex-policial Julio César Garachico por sequestro, tortura e assassinato de sete pessoas ocorridos no centro de detenção clandestino conhecido como "Pozo de Arana", que funcionava em La Plata, a 60 km ao sul da capital argentina.

"Foram crimes contra a humanidade e assim devem ser qualificados", disse o presidente do tribunal, Andrés Basso, ao ler a sentença.

Etchecolatz, de 93 anos, cumpre sua pena no presídio de Ezeiza e não assistiu a leitura do veredicto por estar internado com um quadro febril. Também não esteve presente Garachico, de 81 anos, que cumpre prisão domiciliar em Mar del Plata.

O tribunal concedeu à Garachico o benefício de permanecer sob prisão domiciliar, o que gerou repúdio dos presentes na sala que, aos gritos de "prisão comum, perpétua e efetiva", tiveram que ser retirados.

Além das condenações, o tribunal ordenou a criação de um memorial no local onde funcionava o presídio clandestino de Arana, assim como escavações em busca de restos humanos em uma fazenda próxima onde funciona uma propriedade do Exército.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.