Andersson foi eleita na manhã de quarta-feira, mas teve que renunciar sete horas mais tarde, depois que seu projeto de orçamento foi derrubado e ambientalistas decidiram deixar o governo, tudo no mesmo dia.

"Lamento profundamente os acontecimentos ocorridos ontem [quarta-feira] no Parlamento", declarou o presidente da instituição, Andreas Norlen.

Esse alvoroço parlamentar "parece incompreensível para o povo sueco e prejudica a confiança no sistema político", lamentou ele durante uma entrevista coletiva.

Depois de sondar os chefes dos partidos, Norlen concluiu que suas intenções não haviam mudado em relação à eleição da futura primeira-ministra.

Assim, a candidatura de Andersson será colocada em votação na segunda-feira, anunciou o presidente da Câmara.

O futuro governo, a princípio, só será formado por social-democratas, sem ambientalistas.

Embora tenha sido eleita horas antes, a economista de 54 anos não havia assumido oficialmente suas funções antes de renunciar.

Tradicionalmente, a posse oficial ocorre após o governo ser apresentado ao rei, algo que originalmente deveria ser feito na sexta-feira.

A Suécia nunca teve uma primeira-ministra. A posição foi preenchida até agora por 33 homens desde seu criação em 1876.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.