As eleições para a Duma (Parlamento), que devem resultar em uma vitória fácil para o partido no poder, Rússia Unida, ocorrem após uma repressão histórica que levou à prisão ou exílio os mais importantes opositores do Kremlin.

Antes da votação, a equipe de Navalny promoveu a campanha "Smart Voting" (Votação Inteligente), uma iniciativa que informa quais candidatos eles deveriam apoiar para derrotar os alinhados com o Kremlin.

A maioria deles, quase 140 dos 225 candidatos a um Parlamento alternativo nomeados nesta quarta-feira pelos aliados de Navalny, está concorrendo pelo Partido Comunista.

Leonid Volkov, aliado de Navalny e atualmente no exílio, indicou que os russos que apoiarem os candidatos da campanha na verdade votariam em Navalny.

"Agora, votando de acordo com o 'Smart Voting', você tem a oportunidade de fazer isso por Alexei Navalny", escreveu Volkov em mensagem do Telegram.

A equipe de Navalny mencionou os nomes de 1.234 candidatos à Câmara e às eleições locais, afirmando que eles estão mais bem posicionados para derrotar os vinculados ao Kremlin. Em Moscou, ele recomenda candidatos do Partido Comunista em 11 dos 15 distritos da capital.

A lista nacional também inclui cerca de 50 candidatos do partido de esquerda Fair Russia e 20 candidatos do ultranacionalista Partido Liberal-Democrata, liderado por Vladimir Jirinovski.

A polícia russa deteve quatro militantes na Praça Vermelha de Moscou na quarta-feira após exibir uma faixa pedindo "Liberdade para Navalny, Putin na prisão", informou a associação ONG-Info.

De acordo com um vídeo postado no YouTube, o protesto durou menos de 30 segundos, já que as forças de segurança imediatamente arrancaram a faixa e prenderam os militantes.

O Rússia Unida, que controla o Parlamento e apoia as políticas do Kremlin sem questionar, obteria, segundo as pesquisas, menos de 30% na votação que ocorrerá de sexta a domingo.

"Uma vitória contra o Rússia Unida é mais um passo a frente na conquista da liberdade de Navalny", tuitou sua porta-voz, Kira Yarmysh.

Navalny foi preso em janeiro e, em seguida, suas instalações políticas foram fechadas em todo o país e declaradas "extremistas" junto com seu grupo anticorrupção, que acabou banido.

Desde então, o regulador de mídia russo bloqueou dezenas de sites vinculados a Navalny, incluindo um dedicado à votação estratégica.

O regulador também pressionou gigantes como Google e Apple para que removessem os aplicativos de votação estratégica de Navalny.

Nos últimos anos, o "Smart Voting" conseguiu que o partido governista, cada vez mais impopular, perdesse vários assentos nas eleições locais.

as/jbr/jv/age/me/jc

APPLE INC.

GOOGLE

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.