"Um tribunal condenou Maha al-Mutairi, de 40 anos, a dois anos de prisão e a uma multa de 1.000 dinares kuwaitianos (US$ 3.300) por ter 'abusado das comunicações telefônicas imitando o sexo oposto", disse HRW.

A lei do Kuwait considera crime "imitar o sexo oposto" e, de acordo com a HRW, mulheres trans sofrem abusos pela polícia durante sua detenção.

"Essas leis violam os direitos à liberdade de expressão, vida privada e não discriminação garantidas pela Constituição do Kuwait e pelo direito internacional", denunciou a ONG.

Maha al-Mutairi foi presa várias vezes no passado, todas pelo mesmo motivo, disse sua advogada, Ibtissam al-Enezi, à AFP.

"Mas a última condenação é a mais severa" de todas, ressaltou.

Sua cliente pede para ser transferida para uma prisão feminina depois de ser mantida em uma cela com detentos transgêneros em uma prisão para homens.

O Kuwait tem a reputação de ser política e ideologicamente mais aberto do que seus vizinhos do Golfo, mas a sociedade ainda é muito conservadora.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.