A organização com sede na cidade francesa de Lyon afirmou que 400 frascos foram confiscados, o equivalente a 2.400 doses, em um armazém nos arredores de Joanesburgo (nordeste da África do Sul) onde também foram encontradas máscaras falsas e três cidadãos chineses e um de Zâmbia foram presos.

Na China, a polícia desarticulou uma rede de venda de vacinas falsas contra a covid-19 em uma investigação em conjunto com a Interpol.

A Interpol informou que 80 pessoas foram presas e que mais de 3.000 vacinas falsas foram apreendidas.

"Apesar desta apreensão, é apenas a ponta do iceberg do tráfico de vacinas falsas contra o coronavírus", afirmou o Secretário Geral da Interpol, Jürgen Stock.

A Interpol também alertou que, até o momento, nenhuma vacina autorizada está à venda na internet.

"Qualquer vacina anunciada na internet ou na chamada 'dark web', não é legal, não foi analisada e pode ser perigosa".

Stock alertou em dezembro, durante uma entrevista ao jornal alemão WirtschaftsWoche, sobre o aumento dos crimes relacionados à distribuição de vacinas, com roubos em locais de armazenamento e ataques a cargas de vacinas.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.