"É um bom avanço, que exigiu vontade de compromisso de ambos os lados", afirmou Merkel em entrevista coletiva em Berlim.

Ela destacou, contudo, que o acordo não "resolve todas as diferenças" a respeito deste polêmico gasoduto que unirá Rússia e Alemanha, evitando passar pela Ucrânia.

A Ucrânia vê o fluxo de gás russo que até agora atravessa seu território como uma fonte de influência e uma vantagem econômica. As tarifas de trânsito do gás aportam US$ 3 bilhões por ano aos seus cofres.

Para a oposição republicana nos Estados Unidos, o gasoduto entre Rússia e Alemanha trai a Ucrânia e fortalece o presidente russo, Vladimir Putin.

Joe Biden, que na semana passada recebeu Angela Merkel na Casa Branca, suspendeu a maioria das sanções a Nord Stream exigidas pelo Congresso. O presidente democrata alega que o gasoduto está quase concluído e que é melhor trabalhar ao lado da Alemanha.

A Alemanha concordou em ajudar a Ucrânia a reduzir sua dependência energética da Rússia, criando um fundo de pelo menos US$ 1 bilhão.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.