Após seis semanas de conflitos, em 9 de novembro o Azerbaijão e a Armênia assinaram um acordo para pôr fim às hostilidades.

A Turquia, que apóia o Azerbaijão, foi acusada de enviar combatentes sírios para Nagorno Karabakh para apoiar as forças de Baku, o que o presidente Recep Tayyip Erdogan nega.

"Mais de 900 combatentes de facções pró-Ancara voltaram para a Síria em várias ondas", disse o OSDH, observando que a última leva ocorreu em 27 de novembro.

Esses combatentes voltaram para os territórios sob controle turco no norte da Síria, especialmente para as regiões de Afrin, Jarabulus e Al-Bab, disse o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman, à AFP.

Rahman acrescentou que "várias outras ondas de retorno podem se seguir nos próximos dias" e que "todos" aqueles que foram enviados para o Azerbaijão retornarão à Síria.

"O número total de combatentes sírios enviados ao Azerbaijão foi de 2.580", acrescentou, especificando que 293 deles morreram no conflito.

Recentemente, a França pediu "monitoramento internacional" do cessar-fogo em Nagorno Karabakh para garantir o retorno dos combatentes estrangeiros, sobretudo, sírios.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.