O jornalista "foi libertado da prisão nesta terça depois de 20 dias de detenção", anunciou em um comunicado a Deutsche Welle.

Detido em 12 de maio enquanto cobria o processo do opositor Pável Severinets e de várias outras personalidades, Burakov foi condenado três dias depois por participar de um "ato não autorizado".

Burakov, assim como outro jornalista que foi detido ao mesmo tempo, afirmou durante a audiência no tribunal de Moguilev que durante a detenção sofreu "torturas e tratamentos desumanos".

Belarus registrou manifestações antigovernamentais sem precedentes depois da contestada eleição presidencial de agosto passado, que levou o presidente Alexander Lukashenko a iniciar um sexto mandato.

No fim de maio, um avião comercial que voava entre Atenas e Vilnius, na Lituânia, foi desviado para Minsk, escoltado por um caça, após uma ameaça de bomba que se revelou falsa.

O jornalista e opositor Roman Protasevich, estava a bordo. Ele e sua namorada, que o acompanhava, foram detidos, causando indignação dos países ocidentais.

Segundo a ONG de defesa dos direitos humanos Viasna, há 449 presos políticos detidos atualmente em Belarus.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.