O tribunal iraniano estimou nesta quinta, baseado nas investigações penais e comentários das autoridades, que está "claro que o regime sionista executou os crimes" dos cientistas iranianos, segundo uma cópia do veredito publicada pela agência estatal IRNA.

O Irã acusou os Estados Unidos e Israel por uma série de assassinatos de cientistas, incluindo a morte do físico nuclear Mohsen Fakhrizadeh, em novembro de 2020.

Mohsen Fakhrizadeh sofreu um ataque contra seu carro nos arredores de Teerã, no qual acabou morto. A República Islâmica responsabilizou Israel pela ação.

Os Estados Unidos apoiam Israel "direta e indiretamente" e por isso são "responsáveis de todas as ações, incluindo a assistência, o apoio e implementação de ações terroristas contra os cientistas israelenses", de acordo com o tribunal.

Os ex-presidentes Barack Obama e Donald Trump, o governo americano e outras autoridades de alto escalão estão na lista de acusados.

Outros dois cientistas nucleares, Majid Shahriari e Fereydoon Abbasi Davani, foram mortos em dois ataques distintos no mesmo dia, 29 de novembro de 2010.

O veredito pode atenuar a tensão entre Teerã e os países ocidentais, atualmente negociando a retomada no acordo nuclear de 2015.

Em 2015 o acordo aliviou as sanções contra o Irã em troca da limitação do programa nuclear, mas os Estados Unidos saíram unilateralmente em 2018 e Teerã deixou de cumprir os compromissos.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.