Devido à baixa altitude, as pequenas ilhas do Pacífico estão muito expostas ao aumento do nível do mar e a ciclones cada vez mais potentes.

O primeiro-ministro do arquipélago de Tuvalu, Kausea Natano, afirmou que o Fórum das Ilhas do Pacífico (FIP), com 18 membros, deve estimular os países a adotar medidas significativas.

"As nações insulares do Pacífico estão na linha de frente da mudança climática, por isso nossa liderança mundial e as iniciativas de conscientização são essenciais", declarou.

Natano, que preside este ano a FIP, pediu a celebração do fórum, que acontecerá no dia 11 de dezembro, para coordenar as demandas dos líderes da região.

O objetivo é pressionar os chefes de Estado que participarão em uma reunião de cúpula virtual em 12 de dezembro, destinada a estimular os governos a intensificar os esforços para reduzir as emissões de CO2.

Esta reunião, organizada pela ONU, Reino Unido e França, marcará o quinto aniversário do Acordo de Paris sobre o Clima. O pacto foi concluído em dezembro de 2015 entre 195 países membros das Nações Unidas e assinado em 2016. A meta é limitar o aquecimento a +2°C ou inclusive a +1,5°C.

Para Natano, a reunião de 11 de dezembro será uma oportunidade para que os membros do FIP avaliem seus progressos e recordem a vontade do Pacífico de "estimular e adotar medidas ambiciosas" contra a mudança climática.

"Não há dúvida de que nossa incapacidade coletiva para atuar como comunidade terá um impacto não apenas nas gerações atuais, mas também nas futuras", afirmou.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.