Uma fonte próxima do governo local indicou problemas financeiros para justificar a desistência deste país da África Ocidental dois dias antes da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos.

"Devido ao recrudescimento das variantes da covid-19", o governo, "preocupado em proteger a saúde dos atletas guineenses, decidiu com pesar cancelar a participação de Guiné" nos Jogos de Tóquio, escreveu o ministro do Esporte, Sanoussy Bantama Sow, em carta dirigida ao presidente do Comitê Olímpico da Guiné (CNOSG) .

"Surgiu um custo extra para o envio da delegação, e o ministério não tem como pagar", disse à AFP a fonte próxima ao governo, que preferiu manter o anonimato, sem dar mais detalhes.

Já a imprensa do país indicou que haveria um impasse em relação ao pagamento de prêmios.

A Guiné participou de 11 edições das Olimpíadas, mas nunca conquistou uma medalha. Os atletas que vão ficar fora da competição são Fatoumata Yarie Camara (luta livre), Mamadou Samba Bah (judô), Fatoumata Lamarana Touré e Mamadou Tahirou Bah (natação) e Aïssata Deen Conté (atletismo, 100m feminino).

Antes do país africano, a Coreia do Norte já havia anunciado em abril que não participaria dos Jogos de Tóquio para proteger seus atletas de todos os riscos ligados à pandemia do coronavírus. A mesma decisão foi adotada por Samoa, pequeno país da Oceania.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.