"Basta de seguirmos estrangulando o governo cubano através do sofrimento do povo cubano", afirmou o cubano-americano Felix Sharpe-Caballero, um dos impulsionadores do projeto, ao tornar efetiva a doação na terça-feira.

Em ato na embaixada de Cuba em Washington, o ativista destacou que estas seringas, das quais dois milhões chegaram no sábado passado ao porto cubano de Mariel, permitirão continuar a imunização contra o coronavírus na ilha que, segundo a Organização Pan-americana da Saúde (Opas), atravessa uma situação sanitária "preocupante".

A compra e o envio de seringas foram coordenados pela Global Health Partners, uma organização americana que envia remédios e suprimentos médicos a Cuba desde 1994.

"O país tem uma escassez de 20 milhões de seringas vitais para o objetivo de vacinar toda a população contra a covid-19", disse o grupo em sua convocação para arrecadar fundos.

Segundo os organizadores, mais de 500.000 dólares foram doados em todos os Estados Unidos.

Também participam desta iniciativa a Campanha #SavingLives (coalizão de dezenas de grupos contrários ao embargo), as organizações Codepink e The People's Forum, o Sindicato Internacional de Estivadores e Armazéns (ILWU), a organização Socialistas Democráticos da América (DSA) e dois grupos formados por cubano-americanos: o Movimento Não Embargo Cuba e Pontes de Amor.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.