Após um acordo entre os Estados Unidos e o Talibã para encerrar a intervenção militar americana no país, as primeiras negociações interafegãs foram lançadas em meados de setembro.

Após uma série de divergências, ambas as partes - o governo de Cabul e os insurgentes talibãs - anunciaram que chegaram a um consenso sobre as regras das negociações.

"A forma das negociações interafegãs (...) foi acordada e os debates na agenda" continuarão, anunciou Nader Nadery, membro da equipe de negociação do governo afegão, no Twitter.

Mohamad Naim, porta-voz do Talibã, também tuitou que os procedimentos para as negociações foram "adotados".

Abdullah Abdullah, que lidera o processo de reconciliação no Afeganistão, saudou esta "primeira etapa essencial".

O enviado especial de Washington ao Afeganistão, Zalmay Jalilzad, comemorou uma "etapa importante".

Mas, apesar das negociações, a violência aumentou em todo o país, com muitos ataques diários às forças de segurança afegãs.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.