"Recebemos a informação sobre a herança neste verão (boreal). Por enquanto, o procedimento está na fase das burocracias legais que estão em sua fase final", informou o serviço de imprensa do maior museu de arte da Rússia à AFP.

Segundo esta fonte, a "fortuna" foi deixada por Christophe Batard, um médico francês que morreu aos 51 anos.

"Nosso amigo francês fez algo notável. É um gesto belíssimo", comentou na segunda-feira o diretor do Hermitage, Mikhail Piotrovski, durante uma coletiva de imprensa, propondo que o dinheiro herdado pelos gatos seja utilizado para restaurar os porões onde vivem.

A história dos gatos do Hermitage remonta à assinatura, em 1745, pela imperatriz Isabel I, filha de Pedro o Grande, de uma ordem para "encontrar em Kazan os melhores gatos, os maiores, e mais aptos para capturar ratazanas, com a intenção de enviá-los à corte de Sua Majestade".

O Hermitage abriga atualmente cerca de 70 gatos que caçam roedores neste vasto museu da antiga capital imperial russa.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.