Os eleitores devem escolher entre mais de 10 candidatos à presidência, incluindo três mulheres, e renovar os 275 deputados do Parlamento.

Desde a abertura dos locais de votação, filas eram observadas em diversos pontos de Acra. A maioria dos eleitores usa máscara de proteção devido à pandemia de covid-19.

Os dois principais candidatos travam uma batalha pela terceira eleição consecutiva e os resultados podem ser muito apertados, a julgar pelo que aconteceu nas votações anteriores. Em 2012, Mahama, do Congresso Nacional Democrático (NDC), venceu com 50,7% dos votos. Há quatro anos, Akufo-Addo, líder do Novo Partido Patriótico (NPP), chegou à presidência com 53,8% dos sufrágios.

Os rivais políticos históricos se comprometeram a respeitar os resultados e a garantir "a paz e a segurança" no país, que é um exemplo de democracia e estabilidade na África Ocidental, região abalada nos últimos meses por eleições polêmicas e violentas, como na vizinha Costa do Marfim.

"Em 30 anos, cinco presidentes se sucederam em paz e entregaram o poder à oposição em três ocasiões", recordou o chefe de Estado durante a tradicional mensagem à nação na véspera da eleição.

"A respeito do que acontece no continente, e na África Ocidental, o mundo inteiro nos observa e devemos manter o título de exemplo de democracia, de paz e estabilidade", completou o presidente candidato à reeleição, de 76 anos.

Os dois candidatos encerraram a campanha no sábado. O chefe de Estado pode ser beneficiado por um balanço geral positivo nas áreas econômica, social e diplomático, mas os principais desafios são o desemprego, as infraestruturas e o acesso à saúde.

Desde a década de 2000, o país rico em ouro, cacau e mais recentemente em petróleo registra um forte crescimento econômico. Em menos de 25 anos, a taxa de pobreza extrema caiu à metade.

Mas em algumas regiões, sobretudo no norte, muitas pessoas ainda vivem na pobreza absoluta, sem água potável ou energia elétrica.

A crise provocada pelo coronavírus afetou o país, que deve registrar um crescimento anual de 0,9%, segundo o FMI, o menor índice em mais de 30 anos.

O atual presidente foi elogiado pela gestão da crise e, apesar dos avanços na educação e no acesso à energia elétrica, não conseguiu cumprir sua principal promessa: a luta contra a corrupção.

Em novembro, o procurador especial anticorrupção renunciou ao cargo e acusou Akufo-Addo de obstruir seu trabalho.

Mahama, considerado um negociador e homem próximo ao povo, precisa superar as críticas de má gestão econômica que impediram sua reeleição.

Ele escolheu como candidata a vice-presidente Jane Naana Opoku-Agyemang, ex-ministra da Educação que tem uma reputação de integridade e veio do Centro, uma região crucial para vencer a eleição.

O vencedor precisa obter mais de 50% dos votos e os resultados devem ser anunciados 24 horas depois do fim da votação, mas o prazo pode ser maior, de acordo com a Comissão Eleitoral.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.