"Nunca reconheceremos as fronteiras que a Rússia tenta mudar com sua intervenção militar", afirmaram os ministros em um comunicado divulgado após a reunião em Wangels, norte da Alemanha.

"Vamos manter nosso compromisso de apoiar a soberania e a integridade territorial da Ucrânia, incluindo a Crimeia", acrescenta a nota.

A chefe da diplomacia alemã, Annalena Baerbock, cujo país assume a presidência do G7 este ano, insistiu que a Ucrânia deve "decidir por conta própria" sobre o assunto "porque é seu território".

"Apoiaremos as medidas (...) que a Ucrânia adotará para garantir a liberdade e a paz no país", declarou durante uma entrevista coletiva ao final da reunião.

O comunicado do G7 foi divulgado em um momento de intensificação dos combates na região do Donbass (leste), controlada parcialmente desde 2014 por separatistas pró-Moscou e onde a Rússia concentra a ofensiva há algumas semanas, mas sem registrar avanços significativos.

Os ministros voltaram a pedir à Rússia que "acabem com a guerra que começou sem provocação (por parte da Ucrânia) e com o sofrimento trágico e as perdas de vidas humanas que continua provocando".

Também pediram a Belarus que "pare de facilitar a intervenção da Rússia e respeite seus compromissos internacionais".

Os sete países (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) também condenaram "as ameaças irresponsáveis do uso de armas químicas, biológicas ou nucleares" por parte do presidente russo Vladimir Putin.

O G7 prometeu "ampliar as sanções" econômicas contra Moscou por sua invasão do território ucraniano para "setores nos quais a Rússia é particularmente dependente" e pediu ao governo da China para "não minar" as medidas punitivas.

"Pedimos à China que não ajude a Rússia em sua guerra de agressão contra a Ucrânia, para não minar as sanções impostas à Rússia por seu ataque contra a soberania e a integridade territorial da Ucrânia, que não justifique a ação da Rússia na Ucrânia e que renuncie à manipulação da informação, à desinformação e outras medidas para legitimar a guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia", afirma o comunicado final.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.