O chefe de Estado prevê, no início de 2021, "uma primeira campanha de vacinação dirigida aos grupos mais vulneráveis e expostos", seguida de uma segunda campanha, entre abril e junho, "mais ampla e generalizada".

O primeiro-ministro Jean Castex, dirigindo-se ao Parlamento, acrescentou que as pessoas que vivem em lares de idosos e parte dos funcionários desses estabelecimentos terão prioridade de vacinação.

A esperança global de que as vacinas contra o novo coronavírus estejam prontas para serem inoculadas até o final do ano aumentou depois que a empresa americana Moderna sinalizou na segunda-feira que estava solicitando uma autorização emergencial para seu projeto nos Estados Unidos e na Europa.

Outra vacina, desenvolvida pelos laboratórios Pfizer e BioNTech, também foi apresentada nos últimos dias para aprovação nos dois lados do Atlântico. As duas vacinas, afirmam as empresas, têm eficácia de 95%.

A Pfizer/BioNTech prevê que sua vacina possa ser autorizada nos Estados Unidos a partir de 10 de dezembro, enquanto o órgão regulador de medicamentos na Europa indicou nesta terça-feira que decidirá até 29 de dezembro se concederá aprovação urgente, antes que a Moderna.

leb-jri/jh/js/tgb/age/es/mr

PFIZER

BioNTech

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.