A decisão é válida "enquanto se aguarda a conclusão de uma análise completa" das consequências para o meio ambiente das concessões outorgadas no início de janeiro pelo governo anterior para a exploração de parcelas da maior área natural protegida do país, informou o Departamento do Interior em um comunicado.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.