"Exortamos a Arábia Saudita a desmantelar esse grupo e adotar reformas institucionais sistêmicas, assim como mecanismos de controle para conseguir que as atividades e operações contra os dissidentes cessem", declarou à imprensa o porta-voz da diplomacia americana, Ned Price.

Os Estados Unidos já sancionaram a Força de Intervenção Rápida, unidade de elite encarregada da proteção do príncipe-herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, acusada de estar muito envolvida no assassinato de Khashoggi em 2018.

Um relatório dos serviços de inteligência americanos, que teve o sigilo levantado e foi publicado na sexta-feira acusa o príncipe-herdeiro de ter "validado" o assassinato do jornalista saudita.

Mas Washington não sancionou o jovem dirigente para evitar uma ruptura de suas relações com Riade.

Diante das críticas pela ausência de punição contra bin Salman, a administração de Joe Biden se mostrou disposta a "reajustar" as relações com a Arábia Saudita para evitar que se repitam assassinatos como o do jornalista.

Price pediu às autoridades sauditas que façam mais pelos direitos s humanos.

"Exortamos à Arábia Saudita a tomar medidas adicionais para suspender a proibição de viagem" imposta a militantes liberados há pouco, disse o porta-voz.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.