"Dada a resposta inadequada das autoridades nacionais e do uso de armas químicas proibidas (...), acreditamos que uma investigação internacional deve ser realizada com urgência para apurar os fatos e esclarecer todas as circunstâncias que envolveram o envenenamento de Navalny", disseram em comunicado Agnès Callamard, relatora especial para execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias, e Irene Khan, relatora especial para a promoção e proteção da liberdade de opinião e expressão.

"Acreditamos que o envenenamento do senhor Navalny com Novichok (um agente nervoso) foi feito deliberamente para enviar um aviso claro e assustador de que esse seria o destino de qualquer um que criticasse e se opusesse ao governo. O Novichok foi escolhido presicamente para criar medo", acrescentaram.

As duas especialistas, cuja opinião não compromete a ONU, pedem desde agosto ao governo russo que garanta "a realização rápida de uma investigação confiável e transparente que cumpra as normas internacionais e que torne as conclusões públicas".

Considerando insatisfatória a resposta das autoridades, elas destacam que uma investigação internacional é "particularmente crucial agora que o senhor Navalny está preso pelo governo russo e submetido ao seu controle".

"Pedimos ao governo russo que solicite ou autorize essa investigação", escreveram.

Os tribunais russos confirmaram na semana passada a condenação do ativista anticorrupção, de 44 anos, em um caso de fraude de 2014 que ele e muitos países ocidentais e ONGs denunciaram como fruto de motivações políticas.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.