Este problema "não se resolverá em um dia ou em uma semana", disse Deese à CNN.

Ao ser questionado se "os pais devem estar preparados para que dure semanas ou meses, Deese se manteve elusivo. "Precisamos ver como progride em tempo real", afirmou e pediu aos pais que procurem seus médicos em caso de necessidades urgentes.

Segundo o provedor de dados Datasembly, o índice de desabastecimento de leite em pó infantil chegou a 43% no fim da semana passada.

Inicialmente causada por problemas na cadeia de fornecimento e pela falta de mão de obra, a escassez aumentou em fevereiro, quando a fábrica da Abbott em Michigan fechou após a "retirada voluntária" de produtos suspeitos de causar a morte de dois bebês.

"A segurança é primordial neste caso", afirmou Deese, reforçando que a Abbott foi fechada por motivos de segurança.

"No dia que aconteceu a retirada, a administração (de Joe Biden) enviou orientações a todos os estados para atualizar seus regulamentos", acrescentou.

Por fim, Deese garantiu que "todas as alavancas do governo federal" foram puxadas para apoiar a rede de fornecimento.

Acusada de indiferença ou de não reagir a tempo, a Casa Branca apresentou na quinta-feira algumas medidas - de alcance limitado - para combater o problema.

O governo do presidente Biden planeja, entre outras coisas, aumentar as importações. Atualmente, os Estados Unidos produzem 98% das fórmulas para lactantes que consome.

"Nas últimas quatro semanas houve mais produção de leite para bebês do que nas quatro semanas anteriores a retirada" dos produtos da Abbott, observou o assessor.

Dt/jul/eb/dg/ll/ap

ABBOTT LABORATORIES

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.