Será a primeira vez, já que Taiwan nunca enviou um rinoceronte-branco ao exterior para procriar, daí o entusiasmo da equipe do Leofoo Safari Park, no norte da ilha.

"Emma foi escolhida por sua personalidade gentil e seu tamanho pequeno, o que tornará mais fácil transportá-la para o exterior", disse Sean Wu, responsável pelos animais do parque, à AFP. "Ela raramente luta com outros rinocerontes ou rouba comida dos demais".

Resolvidos os trâmites administrativos, Emma partirá para o Tobu Zoo, em Saitama, ao norte de Tóquio, onde "Moran", um macho de 10 anos, a espera.

E para se preparar para sua aclimatação, a equipe do zoológico começou a falar com ela em japonês.

"Adicionamos instruções em japonês aos nossos exercícios diários para que ela se adapte mais rapidamente ao chegar", diz Wu.

Ruídos de motores de aviões e caminhões foram até mesmo colocados para ajudá-la a se preparar para a viagem.

A mudança foi originalmente planejada para março, mas não sairá antes do final de abril devido às restrições relacionadas ao coronavírus na fronteira japonesa.

Um veterinário e um dos tratadores do zoológico partirão duas semanas antes de Emma para terminar a quarentena na chegada. Eles vão passar pelo menos uma semana com a rinoceronte no Japão para ajudá-la a se aclimatar.

Existem atualmente menos de 19.000 rinocerontes-brancos do sul, nativos do continente africano, em todo o mundo, de acordo com a organização Save the Rhino.

No final do século 19, eles quase desapareceram, mas os esforços de conservação aumentaram seu número.

A outra subespécie de rinoceronte-branco, a do norte, não teve tanta sorte, pois agora existem apenas dois indivíduos, duas fêmeas.

Os programas de reprodução em zoológicos têm desempenhado um papel crucial na salvação do rinoceronte branco do sul.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.