"O número de acidentes foi reduzido drasticamente nos primeiros meses de 2020 devido, em parte, ao confinamento imposto em muitos países para frear a pandemia de covid-19", afirma a FIT, subordinada à Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A Nova Zelândia registrou 80 mortes a menos em abril de 2020 do que em abril de 2019; a Itália, 79 a menos; a África do Sul, 78; o Marrocos, 65; e a França, 56.

Porém, parece que "a diminuição do número de mortos não é proporcional a diminuição do tráfego", e "alguns países têm registrado um aumento das velocidades médias e dos acidentes mais graves", sublinha a FIT.

Dos 29 países analisados, apenas a Dinamarca, a Suécia (que não estabeleceu nenhum tipo de confinamento) e a Holanda tiveram um ligeiro aumento no número de mortos em rodovias.

Antes da pandemia, a maioria dos países presentes na base de dados de tráfego internacional da OCDE já registrava uma diminuição no número de mortes por acidentes de trânsito.

O número de mortes diminuiu, em média, 18,3% em 2018 em comparação com a média dos três anos anteriores (excluindo os Estados Unidos, onde houve um aumento no número de mortes).

Eslovênia, Irlanda e Lituânia melhoraram consideravelmente seus números de segurança viária.

Os três países mais perigosos da OCDE (em número de acidentes por 100.000 habitantes) África do Sul, Costa Rica e Colômbia, entre 2018 e 2019.

Mais de 1,3 milhão de pessoas morrem por ano em acidentes causados no trânsito no mundo todo e dezenas de milhões ficam gravemente feridas.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.