"Nestes 8 anos, todas as etapas da obra foram previamente validadas pelo seu cliente, cumprindo os compromissos contratuais", afirmou a construtora em mensagem enviada à AFP.

O projeto Hidroituango, que deve cobrir um quinto da demanda de energia do país, começou no noroeste da Colômbia em 2010, e sua conclusão estava prevista para o final de 2018.

No entanto, dois anos depois, a obra está inacabada e foi cenário de uma emergência em que um bloqueio no único túnel de drenagem da barragem causou uma repentina inundação que obrigou a evacuação de 25.000 pessoas, em abril de 2018.

Na última quinta-feira, a controladoria colombiana acusou Camargo Correa junto com outros 27 ex-funcionários e empreiteiros em um processo por supostas "falhas e improvisações" na construção da hidrelétrica.

As obras estão sendo executadas pelo consórcio CCC Ituango, formado pelas brasileiras Camargo Correa (55%) e as colombianas Conconcreto (35%) e Coninsa-Ramón H (10%).

Segundo a entidade de fiscalização, a construtora terá de responder especificamente por "atrasos sistemáticos" na execução da obra.

A empresa brasileira afirmou estar "contribuindo de forma transparente" com a investigação e expressou sua confiança "nos órgãos competentes para avançar em prol da integridade e da transparência, essenciais para a conclusão da obra", prevista para 2022.

Após a imputação dos encargos, será realizado um processo de responsabilidade fiscal, que não implica sanção penal, mas que pode levar à apreensão de bens.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.