A reunião de quinta-feira, solicitada pelo Reino Unido, será realizada depois que os rebeldes houthis disseram que um acordo para que uma missão da ONU inspecione o petroleiro chegou a um "ponto morto".

O FSP Safer, um navio de 45 anos, contém 1,1 milhão de barris de petróleo e está abandonado perto do porto iemenita de Hodeida (oeste) desde 2015.

Os inspetores da ONU estavam programados para avaliá-lo no ano passado, mas a missão foi adiada várias vezes devido a desentendimentos com os rebeldes.

Um porta-voz britânico nas Nações Unidas disse que havia um "sério risco" de derramamento de óleo "que seria catastrófico para o Iêmen e a região".

"A responsabilidade pelo petroleiro é dos houthis e eles devem cooperar com a ONU. Levaremos esse assunto ao Conselho de Segurança amanhã para discutir os próximos passos", acrescentou.

Os houthis relataram na terça-feira que as negociações com a ONU estagnaram após vários dias de discussões, de acordo com o canal Al Masira.

O grupo rebelde afirmou "lamentar profundamente que a ONU tenha desistido das tarefas de manutenção (incluídas em um acordo) estabelecidas em novembro".

Stephane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, reiterou que o trabalho de manutenção não pode ser realizado sem uma avaliação imparcial prévia.

A ONU diz que um derramamento de óleo destruiria os ecossistemas do Mar Vermelho e forçaria o fechamento da indústria pesqueira do Iêmen e do porto vital de Hodeida por seis meses.

Além da corrosão do antigo navio, foram negligenciados trabalhos essenciais para conter os gases explosivos em seus tanques de armazenamento.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.