A qualidade da água da base náutica de Odaiba (sudeste de Tóquio) não parece muito saudável, sobretudo, desde que uma competição teste de paratriatlo foi cancelada em 2019, devido aos níveis elevados da bactéria Escherichia Coli detectados.

Um funcionário do governo local negou as informações publicadas esta semana na imprensa japonesa e internacional, segundo as quais o local situado às margens da baía de Tóquio, e que receberá as provas de maratona aquática e triatlo, parece um "banheiro".

"Não há mau odor", disse Shigeru Eonomoto à AFP.

"A qualidade da água não é boa quando chove, já que os esgotos seguem em sua direção", admitiu, no entanto, Eonomoto, que mora perto do local.

Um correspondente da AFP visitou o local e não sentiu o cheiro forte denunciado por alguns na região, vigiada pela polícia e cercada por barreiras para os Jogos Olímpicos.

Na quarta-feira (21), o comitê organizador de Tóquio-2020 informou que adotou diversas medidas para as competições, como a instalação de um "filtro triplo" para preservar a qualidade da água.

Monitorando diariamente a qualidade da água e o tempo, a organização deseja impedir o vazamento de águas que contenham potencialmente a bactéria Escherichia Coli em caso de chuva, informou o comitê Tóquio-2020.

Esta é a previsão do tempo para o início da próxima semana, quando serão disputadas as provas do triatlo.

A equipe australiana afirmou que não está preocupada com a qualidade da água, que deve ser controlada duas vezes por dia.

"Confiamos nas medidas adotadas, como a instalação de um filtro triplo, em vez do filtro usado no ano passado para o evento-teste", declarou Justin Drew, um dos técnicos da equipe.

Moradores de Odaiba expressaram dúvidas sobre a qualidade da água.

"Não vi a baía recentemente, pois está protegida por barreiras devido aos Jogos. Mas a água não estava realmente limpa antes", conta Ayako Kinoshita, de 35 anos.

Uma moradora, que pediu para não ser identificada, disse que sentiu "odor depois da chuva, quando faz calor", e afirmou que não permite que os filhos entrem na água.

Takashi Murakami, de 82 anos, afirmou que não ouviu os boatos sobre a "baía pestilenta" e resumiu: "Talvez esteja acostumado (ao odor)".

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.