O vulcão, considerado ativo por ter menos de 5.000 anos, está localizado na falha Liquiñe-Ofqui, 80 quilômetros a sudoeste da cidade de Coyhaique na região de Aysen, cerca de 1.600 quilômetros ao sul de Santiago.

"A região de Aysen apresenta uma importante atividade vulcânica, pois é o ponto de encontro das placas Antártica e Nazca com a placa sul-americana. A falha Liquiñe-Ofqui controla onde os vulcões estão localizados na zona sul do Chile na superfície. O Grande mate está no meio da falha", explicou Gregory De Pascale, autor da publicação na revista Nature e acadêmico da Universidade do Chile.

O geólogo afirmou que parte da cratera do vulcão se desprende devido a "terremotos de alta intensidade gerados na falha de Liquiñe-Ofqui", dos quais "é esperada uma ruptura" devido à sua alta velocidade de movimento - entre 11,6 e 24,6 milímetros por ano - o que poderia causar "terremotos de alta magnitude", por isso decidiu-se manter o monitoramento do vulcão.

O Grande Mate foi encontrado graças a visitas ao local desde 2015 e voos de reconhecimento, já que costuma nevar 10 meses por ano na área, que já é de difícil detecção.

"Durante um voo de helicóptero no verão, era possível ver claramente a diferença de cores entre a rocha basáltica mais escura, que ocorre em um evento eruptivo, em comparação com as rochas intrusivas mais claras, como o granito, que se formam no interior da terra", esclareceu o cientista.

Este novo vulcão se junta aos noventa vulcões ativos que marcam os 3.100 km que separam a cidade de Arica, na fronteira com o Peru, dos fiordes meridionais de Aysen flanqueados pela majestosa cordilheira dos Andes.

A maior concentração é, entretanto, na falha Liquiñe-Ofqui, que atravessa a metade sul do Chile verticalmente por mil quilômetros.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.