"A chegada do navio 'Razoni' está adiada", afirmou a embaixada à AFP em uma mensagem enviada neste sábado.

Os dados sobre uma possível cerimônia de chegada "serão enviados posteriormente, quando tivermos informação sobre o dia e hora exatos da chegada do navio", acrescentou.

Questionada sobre o motivo do adiamento, a embaixada salientou que no momento não tinha mais informações disponíveis.

Sob anonimato, um funcionário que acompanhava o carregamento disse que o navio pode nem atracar no Líbano se o dono da carga conseguir vendê-lo em outro lugar. "O navio só irá para o Líbano (...) se um negociante comprar a carga", declarou à AFP.

O 'Razoni', com bandeira de Serra Leoa, partiu do porto ucraniano de Odessa na segunda-feira com 26 mil toneladas de milho e fez escala na Turquia no dia seguinte.

Uma equipe que incluía inspetores russos e ucranianos autorizou a passagem pelo estreito de Bósforo na quarta-feira, e um porta-voz da embaixada da Ucrânia disse depois que esperava que a embarcação atracasse no porto libanês de Trípoli na manhã de domingo.

Esse envio é o primeiro desde a assinatura de um acordo entre Kiev e Moscou, patrocinado pela ONU e com mediação turca, para que a Rússia desbloqueie o embarque de cereais dos portos ucranianos, a fim de aliviar a crise alimentar mundial.

O Líbano, que passa por uma das piores crises financeiras e econômicas de sua história, enfrenta uma escassez de pão particularmente aguda.

Outros três navios carregados de grãos deixaram a Ucrânia na sexta-feira para a Turquia e os mercados da Irlanda e Reino Unido. Outros 13 aguardam autorização para sair.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.